Uma coisa muito comum que eu escuto quando converso com empreendedores é “mas eu fiz todas as contas, não sei como que deu errado”.

Bom, como a maioria esmagadora dos microempresários e profissionais liberais nem fazem conta nenhuma e gerenciam tudo “de cabeça”, já é um avanço. Mas, e então, se você fez as contas, por que deu errado?

Vou dar alguns erros muito comuns que podem atrapalhar suas finanças e lentamente te arrastarem para o buraco frio e solitário do “endividamento”. Mas você é o cara, tá lendo esse artigo e vai saber desviar disso e ter “vida plena e próspera”, adaptação oportuna que  parceiro o Renato De Vuono fez da célebre frase do Dr. Spock.

1 – Fazer a modelagem errada

Bom, eu me lembro de quando eu dava aulas particulares pro pessoal da administração, era quase sempre permitido usar calculadoras, às vezes até deixavam usar a HP 12C, que faz quase tudo sozinha; mas adivinha o que ela não faz? A modelagem! Ela só resolve a conta, se você interpretou mal as informações, de nada serve a calculadora. Ou a planilha do Excel/google sheets/qualquer outra coisa que você use pra controlar.

É muito importante observar com calma a relação entre as partes do processo do seu negócio e ter certeza que as coisas funcionam da maneira que você projetou, senão, realmente, a conta não fecha!

2 – Dar preço baseado apenas no mercado

Esse é campeão! Quantas vezes eu vi gente pagando pra trabalhar sem saber. E isso vem da dificuldade das pessoas em calcular CUSTO. Até porque geralmente é uma conta complicada, que envolve imposto, hora de funcionário, frete de matéria prima, frete de entrega…ufa!

E precisa ser feito pra cada produto. Dá trabalho! Mas dá trabalho uma vez só. Depois que você montou uma planilha com essa informações (veja o item acima e tome cuidado pra fazer a modelagem correta), você só fará pequenos ajustes quando mudar algo (preço de fornecedor, salário de funcionário, alíquota de imposto, preço de frete, etc) e terá uma visão bem mais clara de quanto custa o seu produto. Assim, você só terá prejuízo se quiser!
E de vez em quando pode ser que você sacrifique a margem num produto pra não perder um pedido maior, onde você ganha por outra frente. Mas o importante é isso ser ESCOLHA SUA e não algo que acontece sem você saber.
O objetivo é ter TRANSPARÊNCIA na rentabilidade de cada item e te permitir identificar claramente que produtos te dão maior margem de lucro e que devem ser estimulados e quais precisam ter seu processo melhorado pra reduzir custos e ter preço competitivo com o lucro esperado. De novo pra memorizar: a palavra chave é TRANSPARÊNCIA! Bater o olho e saber se você pode dar aquele desconto ou não!

3 – Utilizar as informações erradas

Esse eu deixei por último porque eu também vejo acontecer demais. Existem vários possíveis indicadores que te permitem tomar decisões sobre o seu negócio, mas eu acabo vendo muito empreendedor querendo “forçar a decisão na conta” em vez de “fazer a conta pra decidir”. Ficou confuso, né? Vou explicar.

Ele quer fazer algo porque ele gosta, porque acha legal. Aí, ele (o empreendedor) procura um número na empresa que ele possa usar na conta que ele fez e que vá corroborar com a ideia que é “certo” fazer do jeito que ele quer. Entendeu? Ele decide e depois “inventa” uma conta pra justificar. E ainda fica super feliz quando encontra!

Outro exemplo é quando a pessoa me diz que fechou um pedido grande, e eu, fazendo planejamento financeiro, pergunto “excelente, e quanto dinheiro vai dar”? A grande maioria das vezes a resposta é o valor da venda. Amiguinho, entenda: o valor da venda NÃO INTERESSA! De novo pra memorizar:

“O VALOR DE VENDA DE UM PRODUTO NÃO INTERESSA!”

Valor de nota fiscal só serve pra te enquadrar como Micro, pequena, média ou grande empresa! O que interessa para você (e pro planejador financeiro) é o LUCRO! E pra chegar no lucro, precisa saber o custo (que está ali no item 2); e pra saber o custo precisa modelar corretamente o seu processo (que está ali no item 1).

No frigir dos ovos

“Nossa, Rômulo, mas eu gosto é de “vender o meu produto”/”prestar o meu serviço”, essas contas são complicadas demais, e eu nem sei mexer com planilha direito, eu to ferrado?”

Claro que não. Tem uma frase antiga do Alfred E. Newman que eu adoro, que diz: “O importante não é saber, mas sim ter o telefone de quem sabe.” Chame um amigo, um parente, contrate um profissional, combine um preço ou uma permuta por produtos/serviços e peça ajuda!

Um negócio depende do seu administrador e não tem como administrar sem informação. Invista um tempo pra fazer, pegue um funcionário com facilidade ou contrate um profissional pra te ajudar.

Acha caro? Complicado? Imagine quanto tempo ter essa informação te economizaria, e quanta segurança isso poderia te passar na hora de negociar com um cliente. Vai por mim, caro é viver de “achismo”.

E se você tem um negócio no Brasil, você é o cara. Você consegue.