A resposta, como quase sempre, é: DEPENDE!

“Ora raios, Fuzo, depende do quê?”

Depende do seu potencial de retorno!

Explico:

Se você costuma deixar o dinheiro na poupança, com certeza mesmo um empréstimo a 1% de juro ao mês é caro.

Se você é mais informado e tem menos medo de arriscar um pouco, poderia estar num CDB, em títulos públicos ou fundos, que rendem mais, pode ser que os juros sejam maiores que 1% ao mês, logo, no saldo você acaba tendo mais retorno aplicando o dinheiro que pagando a dívida de 1% (que eu não acho que exista, é só um exemplo!). Só se lembre que boa parte dessas aplicações possuem desconto de IR e taxas de administração, logo, procure saber o retorno LÍQUIDO para fazer a comparação!

Um caso mais real agora; digamos que você tenha à sua disposição um cheque especial de 15% ao mês. Parece caro, não é? Mas se você tem um negócio onde a margem de lucro líquida (depois de impostos e encargos, tudo) é de 20%, caso haja um pedido que te force a entrar no cheque especial (porque se não há demanda, não tem porque fazer, né), o retorno é maior que o custo, logo, não tem problema; o saldo acaba positivo!

Claro que existem outras linhas de crédito bem mais interessantes. Mas, caso haja a necessidade ou urgência, se o retorno for superior, não se assuste com a taxa de juros! Só se lembre na hora de fazer o fluxo de caixa que sua margem foi reduzida pelo juro da linha de crédito, de modo que você não gaste o dinheiro e fique com a dívida.

Pra quem tem o financeiro organizado, o uso do crédito é uma ferramenta excelente pra alavancar o seu negócio. Use com responsabilidade, mas não perca uma boa oportunidade por causa disso.

Lembre-se que qualquer forma de crédito é um dinheiro “emprestado” e que deve ser devolvido no prazo. Planejar e fazer um bom controle de caixa são habilidades que levam qualquer negócio para patamares bem acima da média. Estude, aplique e cresça. Na dúvida, busque um profissional até entender direitinho.

Sucesso, sempre.